“A invenção de Hugo Cabret”

“A invenção de Hugo Cabret”

Estava nomeado para onze óscares. Fui vê-lo na sexta-feira.
Só vi o trailer mesmo antes de ir e nem estava a espera de nada só pelo elevado número de nomeações. Gostei mas a minha imaginação foi mais além. Durante o filme fui imaginando vários finais para chegar ao fim e descobrir que não acertei em nenhum.

Não sou fã do 3D mas sei reconhecer quando se justifica e não é o caso. Assim como também não achei que fosse ganhar metade das categorias para as quais estava nomeado. É um filme interessante mas não é “o tal”.
Hugo Cabret é uma criança, bastante fofa por sinal, que vive sozinha na estação de comboios de Paris. Só por ser Paris, já adoro! Antes de morrer o pai deixa-lhe um boneco de ferro pronto a escrever uma mensagem…mas
precisa de ser arranjado. É essa grande missão do rapaz, terminar a obra, que o pai lhe deixou, com os seus conhecimentos de relojoaria. Esperto, aventureiro e comovedor, Hugo tem aliados na jornada, desvenda o mistério e descobre o caminho para casa, filosoficamente falando.
A história de Martin Scorsese acabou por empatar a noite de óscares, deste domingo, com “O artista”, cinco estatuetas para cada um. Ainda assim, Hugo perdeu, claramente, a noite arrecadando os prémios de menor
relevância. Ganhou nas categorias de “efeitos visuais”, “fotografia”, “direcção
de arte”, “mixagem” e “edição de som”.

Deixe uma resposta