Marrocos # 2 La, la…sukran!

Marrocos # 2 La, la…sukran!

12 Junho 2011

Dia 2

 
Eu não gosto de todo o tipo de comida, sou “esquisitinha”, pronto. Não fazia ideia do que ia encontrar em Marrocos. Pensei que ia emagrecer e isso não era exactamente mau. O melhor era o pequeno-almoço! É que as outras refeições, apesar de não serem más, não eram muito variadas. Havia cuscus (uma espécie de arroz muito pequeno), tajine (algo semelhante a uma perna de frango, mas embrulhada num molho amarelo) e brochetes (uma espetada com carne sabe-se lá de quê). Ainda bem que a pizza é uma coisa universal.
DSC01977
Mas uma aventura maior do que comer era atravessar a estrada, mesmo nas passadeiras. Parar?… Oi? O código da estrada em África deve ser diferente do europeu, ou então estão sempre com pressa de chegar a casa para se porem à fresca. Passear pelas ruas é sempre uma incerteza.
Por vezes, o preconceito pode salvar-nos de pagar por uma simples informação (tipo esquerda ou direita). Outras vezes pode levar-nos a desconfiar da pessoa com as melhores intenções. E ambas as situações aconteceram portanto… sem remorsos. O que acontece muito em Marrocos é que são muito amáveis, dão-nos informações e insistem (muito!) em acompanhar-nos até ao local pretendido. E se às vezes o fazem por simples gentileza, muitos usam esta estratégia para ganhar uns trocos, e ficam mesmo ofendidos se nada lhes cair na mão!
O palácio El Bahia dá-nos a conhecer o estilo de vida de um nobre marroquino do século XIX. A entrada é paga mas vale a pena ver por dentro. A arquitectura é bonita e acima de tudo diferente (claro!).
DSC01917 DSC01921 DSC01922 DSC01929 DSC01933
Os Jardins Majorelle, um pouco mais afastados do centro, contêm várias colecções de plantas provenientes de vários pontos do globo.
DSC02020
DSC02008
De noite sucumbimos ao luxo. É impressionante como uma cidade pode ser contraditória. Bem sei que em Lisboa também há mansões e do outro lado da rua pessoas sem-abrigo. Mas em Marrocos tudo isto parece ser a uma escala bastante maior. A pobreza,degradação e sujidade de um lado é ofuscada pelo atractivo de altos edifíciosbem arranjados junto a um arrebatador casino, dando assim lugar à riqueza dos grandes ‘sheiks’ árabes.
Contudo, reserva-se-me o direito de dizer que a imagem de marca no segundo dia continua a ser o negócio e aprender rapidamente o valor do dinheiro é uma mais-valia. Por cada rua que se passa é preciso aprender a dizer “no, gracias” ou “La la, sukran”, que quer dizer “Não, obrigado.” É isso ou trazer sacos cheios de compras.

Deixe uma resposta