Esticar a massa

Esticar a massa

Amassar, esticar, cortar, secar… São palavras que fazem parte do dia-a-dia da Joana. Brincar com cores, formas e sobretudo sabores. Fazer massa caseira é inovar. Esse é o objectivo da Muita Pasta.

Muito mais do que uma ideia gira, vem colmatar uma lacuna de mercado. Massa com alho? Com tomilho ou alecrim? Com limão e malagueta? Espinafres? Beterraba? Com a Muita Pasta, a Joana vai experimentando um sem limite de sabores. E nós podemos pedir-lhe estes ou qualquer outro que nos venha à cabeça, se ficar bom, mas só se ficar mesmo muito bom, ela faz!

“Ao princípio fazia o sabor de cenoura. Achei engraçado ficar cor de laranja. Fiz duas vezes em casa, com a receita ao lado e… nada! Zero cor de laranja!”. A Joana conta que decidiu fazer massa caseira na altura em aprendeu a fazê-la, no curso de cozinha, na escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa. Hoje, ela é fascinada pelo mundo das receitas. “Eu penso em comida, deliro com ingredientes, imagino receitas, vibro com boas fotografias e perco-me com utensílios antigos”.

Já desde pequena que a comida faz parte do seu imaginário, da sua rotina, mas principalmente das suas criações. A Joana não se lembra de viver sem tachos ou rolos da massa à sua volta. “Desde sempre que se come bem na minha família. Lembro-me de se falar de comida à mesa desde cedo. De ir à Quinta e ver animais, fruta, legumes. De comer segundo as estações: agora castanhas à sobremesa, na Primavera espargos selvagens, no Verão sopa de tomate…” Talvez por isso, criar um negócio, que tivesse por base ser ela própria a fazer um ingrediente, faça todo o sentido.

A Joana lembra-se quando isto tudo começou, quando fez a primeira massa. E do momento em que se deu o clique. “Foi só quando recebi um estendal para pasta que achei piada ao formato esticadinho das massas e me lembrei de as pôr num pacote para oferecer. Ofereci e adoraram, desde aí até criar a página no Facebook foram uns dias…” Hoje, a Joana tem uma página onde nós podemos encomendar uma massa realmente caseira, e ainda podemos acompanhar em que fase do processo está a nossa encomenda. “Digo se a sua encomenda já está a secar, se a massa está feita e a vou esticar no dia seguinte, se está pronta, se já a enviei. Acho que as pessoas gostam de saber e sentem que as levo a sério e à sua encomenda. Também por isso o contacto não acaba quando ponho a caixa no correio. Gosto de saber se chegou bem, se já provaram, se me podem enviar uma fotografia…”

Ver a confecção até chegar à nossa mesa é uma inovação. O facebook “cria um laço muito mais pessoal com o cliente, tenho o à vontade para desejar uma boa semana, enviar smiles e a quantidade de pontos de exclamação que me apetecer”, conta. A relação com os consumidores torna-se cada vez mais uma arma poderosa e hoje já nem sequer existe o medo de comprar online.

Fotos cedidas pela Muita Pasta!

A Joana não chegou a concluir um curso de design porque o trocou pela culinária. Mas hoje faz com que os dois andem de mãos dadas. Por isso dedica-se à encomenda mas para que seja mais do que um alimento e para que nos chegue algo verdadeiramente bonito. “Adoro fazer as etiquetas à mão, dar cada lacinho em cada pacote, publicar novidades na página e fotografar o que faço, é isto que mais gosto!”, conta.

Se vocês forem amantes de massa como eu de certeza que vão querer experimentar sabores novos e que não existem por aí. Não precisamos de ser bons cozinheiros. Não precisamos de gostar de cozinha. Mas precisamos de provar coisas novas. Tal como diz a Joana… “Há cozinhas que são uma arte, talvez. Ou certos cozinheiros que são artistas. Mas também, não é a Arte que nos rodeia?!”

Podem fazer as encomendas directamente na página do facebook.
Podem conhecer além do projecto Muita Pasta, o blog da Joana.

Relacionados:
Aladina
Funmácia
A cozinha verde

Deixe uma resposta