Lost, dez anos

Lost, dez anos

As relações humanas. A força do destino. O Karma. A vida. A morte. O limbo… afinal o que acontece quando morremos?

Há muitas teorias para justificar aquilo que foi a série Lost. Provavelmente foi a melhor série de todos os tempos. Para mim foi. Tinha todos os ingredientes para me prender. Suspense. O passado, o presente e o futuro. Vidas cruzadas. Mistério. Questões, muitas questões. Um enredo brilhante. Uma ideia genial, embora muitas vezes confusa e sem sentido (são assim os grandes génios).

O final não foi para mim o melhor, na altura. Talvez hoje, a esta distância, consiga perceber melhor e compreender que não havia outra hipótese, nem outra explicação. O desfecho teria de ser sempre aquele.
Afinal o que acontece quando morremos? Pensamos em tudo menos nesta questão enquanto vemos Lost. E afinal era só isto, a base de tudo era esta pergunta! Afinal eram mesmo só teorias acerca de como as pessoas olham para as suas vidas. E só por isso, foi e é ainda mais brilhante.

A série faz agora dez anos. Para comemorar alguns actores reuniram-se para falar de coisas que ficaram por explicar e foram desafiados a resumi-la… em trinta segundos. Começam a surgir, também, pormenores e coisas que ninguém sabia. Afinal, Vicent, o cão…era uma cadela!

Relacionados:
* Dos criadores de Lost, a série Once Upon a Time, onde Jorge Garcia  (“Hurley”) tem uma pequena participação como o gigante de “O pé de Feijão”. Também Charlotte (Rebecca Mader) faz parte desta série, recentemente. É a bruxa do Feiticeiro de óz.
*Ian Somerhalder, deu vida a Bonne em Lost, apenas nos primeiros episódios. Hoje é um sucesso com a personagem Damon, em Vampire Diaries

Deixe uma resposta