Quando o telefone não toca…outra vez

Quando o telefone não toca…outra vez

Há uma certa tendência nos telemóveis que me fazem chegar ao iphone. Parece que o mundo inteiro devia ter um. As pessoas deixam mesmo que dizer “onde está o meu telemóvel?” para passar a perguntar “onde está o meu iphone?”. Os telemóveis são uma coisa. Os iphones são uma entidade.

Quando me actualizei e passei do telemóvel a preto e branco para um smartphone houve alguma coisa que se alterou. Eu já podia fazer todas as coisas que antes não queria, nem precisava. Mas passado dois anos não foi o suficiente. Viver com um nerd também não ajudou nada. E hoje tenho um iphone. E, portanto, hoje percebo qual é o problema das pessoas com a escrita super inteligente e autónoma que o iphone decide fazer.

Espaço. Hoje posso ter tudo que bem me apetecer dentro daquela máquina.

Rapidez. Um ponto tão positivo de ter um iphone!

Face time. A invenção do século. Falar de borla entre iphones. Tudo bem que é um egoísmo ser só entre iphones, mas em todo o caso dá muito jeito, tendo em conta que o meu antigo telemóvel ultimamente nem me permitia atender quanto mais falar

O som. Parece uma verdadeira aparelhagem. Vai comigo para o quarto, para a cozinha, para o banho…

Aplicações. Aprendi que existem aplicações para tudo, inclusivé uma aplicação que me manda beber água de meia em meia hora. Gosto pouco de receber ordens e muito menos vindas de uma máquina portanto apaguei-a.. Se estiver doente e me esquecer dos medicamentos, há uma app para me lembrar. Se quiser escolher a melhor fruta no supermercado há uma app para me ajudar. Ainda não consigo fritar ovos e ainda continuo à espera de uma app para passar a ferro. Mas tudo bem.

 

Deixe uma resposta