Room

Room

Jack era um miúdo diferente. Mais sensível, mais esperto, mais curioso do que os outros miúdos. Jack era um miúdo diferente porque vivia num mundo diferente.

Jack só conhecia a mãe. Só a via a ela, só falava com ela. Jack só conhecia o quarto. Aquele quarto, aquela cama, aquela mesa e aquele prato.

Mas a mãe conhecia muito bem o mundo lá fora. A mãe lembra-se das árvores, do vento, da rua. A mãe era uma pessoa igual às outras antes de só conhecer o quarto. A mãe foi raptada e mantida em cativeiro tendo sido agredida pelo raptor durante anos. De uma dessas agressões nasceu Jack. A diferença entre a mãe e o Jack é que ela teve que reaprender a viver, dentro de quatro paredes, pela sobrevivência dele. Ela tinha a consciência e a coragem de viver e educar uma criança dentro de um quarto enquanto todo o mundo continuava a viver lá fora.E então contam-se duas histórias dentro de uma. A de uma criança e a de uma mãe que vivem apertados dentro de poucos metros quadrados e que apenas se têm um ao outro. Até àquele dia. O dia em que o miúdo salva a mãe. E sem saber conhece o mundo.

O filme baseia-se numa história verídica e no livro “O quarto de Jack” do qual já falei aqui. Foi um livro excelente contanto na voz da voz da criança. Um dos que mais gostei até hoje. O filme não desiludiu nada e prova disso é que Brie Larson ganhou o óscar de melhor atriz por esta interpretação.

Deixe uma resposta