Problemáticas pré-férias

Problemáticas pré-férias

Então é o seguinte: Estou presa na frase “vou de férias”. Tudo o que eu faço é porque vou de férias. Tudo o que eu digo tem a ver com as férias. Em qualquer lado que eu esteja estou a pensar nas férias.

A semana antes de ir de férias deve ser de longe a pior de todo o ano. Há o cansaço normal provocado por meses de trabalho, mas depois há o cansaço que só essa semana provoca. Ou seja, nessa semana é preciso tratar de tudo e pensar em tudo. Este ano ainda por cima as férias contemplam um casamento e é preciso pensar em modelitos! Analisemos as problemáticas:

– Pilhas e pilhas de roupa. Há roupa na tulha da roupa suja. Há roupa na máquina de lavar. Há roupa no estendal. Há roupa no cesto para passar. Afinal que roupa é que eu vou levar? O problema reside no facto de não haver roupa no armário uma vez que toda ela está num destes quatro sítios. Este ano pela primeira vez sucumbi e fui à busca de uma engomadoria para pagar balúrdios para alguém passar aquelas cinquenta peças que eu não fui capaz de passar de borla. Aguardo, com paciência, que a moda do enxovalhado chegue e passe a ser moderno e chique andar com rugas nas roupas.

– A discussão do exercício em férias começa a pôr-se em cima da mesa (a cada refeição). Eu, obviamente, sou contra passar as férias a ir correr seja de manhã, seja à noite. Se são férias, é para fazer coisas obrigatoriamente diferentes do resto do ano. E então? Como acaba? Lá tenho que meter a roupa de desporto e os ténis na mala (é que aquilo ainda ocupa espaço) sob pena de ele ficar cada vez mais fit e eu ser um pequena marmota que come bolas de berlim ao lanche e molha o pão no molho das amêijoas.

– Tenho a mania de deixar a casa arrumada, limpa e a cama feita de lavado. Eu já sei que o pó se vai instalar mesmo com a casa vazia, já sei isso tudo, mas insisto em deixar tudo pronto para que no dia que voltar das férias não tenha que ir fazer limpezas.

– A mulher tem que fazer a depilação geral. Tem que arranjar as sobrancelhas. Cortar o cabelo, fazer as unhas. Comprar os cremes protectores e os que são para depois do sol. Para o corpo, para a cara, para os pés. Falta isto, falta aquilo. Falta sempre qualquer coisa.

– Sinto que deixa de haver comida em casa nesta semana. Tudo que vamos comprar é pensado duas vezes porque depois vamos embora. Porque o leite depois se fica aberto estraga-se. Porque a fruta fica podre, porque o pão fica duro. E então o melhor mesmo é não comprar nada e não comer.

– Fazer a mala implica que tenha que decidir com quinze dias de antecedência os conjuntos que vou querer usar. Evidentemente que isso não é possível. Portanto levo roupa para trinta dias, não me vá apetecer usar exactamente aquela que não levei, e tudo o que não queremos é chatices existenciais durante as férias. Fazer mala não tem qualquer ciência, na verdade. Simplesmente as coisas não cabem e pronto.

Fazer isto tudo numa semana e ainda ter que ir apanhar pokémons não está fácil de encaixar!

 

Deixe uma resposta