Friday is the new black

Friday is the new black

Hoje é black friday. O que significa descontos a montes em todas as lojas. Curiosamente também é dia de não comprar nada. E agora? Fazemos o quê? Vamos dar ouvidos a que dia? Vamos bater perna no centro comercial ou passar a sexta barricados em casa, sem fazer um único movimento na conta bancária?

A black friday nasceu nos EUA marcando o dia seguinte ao Thanks Giving. O dia de ação de graças é comemorado lá, isso não foi importado. Mas a black friday trouxemos para cá, que se é para gastar dinheiro em pechinchas então nós queremos. Os portugueses gostam de uma boa promoção. A palavra descontos já faz os olhos saltarem da órbita. Quando é que é são os saldos, depois do natal, não é? (Isto é importante. Temos de saber estas coisas.) Então vamos ao que interessa. Cá em Portugal a black friday prolonga-se. E transforma-se no black weekend ou na black week. Há descontos a semana toda. É pró menino e pra menina.

As pessoas costumam aproveitar este dia para dar início às compras de natal. Prendas essas que depois as pessoas que recebem vão trocar após o natal, em época de saldos. Faz sentido. Este dia black engloba montes de coisas fixes, não é só roupa. É uma boa oportunidade para comprar coisas de moda e beleza, livros, objetos eletrónicos, eletrodomésticos, viagens, estadias em hóteis. Tudo ao desbarato. E não é só tudo ao molho e fé em Deus, também dá para comprar online com desconto. Isto da tecnologia um dia ainda vai mudar o mundo.

Há histórias nos EUA em que as pessoas ficam horas numa fila para conseguirem uma televisão. Há relatos até de pancadaria. Já se está mesmo a ver a mulherada a ver os casacos e as penas a voar. Qualquer bota de cano alto serve de arma de arremesso para afastar a concorrência. Cá em Portugal as coisas não são levadas tão a peito. Acho eu. Mas deixem ver o que diz o Correio da Manhã depois no sábado.

Relativamente a descontos e promoções não sou a melhor pessoa. Não tenho a apetência necessária para analisar o folheto do supermercado. Para os saldos nas lojas sou pior. Ainda pior. Sim, estamos a falar de roupa. Regra geral vou a uma loja num dia normal e gosto de tudo. Trago uma coisa ou duas e fico a sentir-me culpada porque se calhar não precisava muito daquilo. Quando vou aos saldos não trago nada. E regresso com uma culpa enorme porque não aproveitei os preços baixos. Sou uma besta! Nos saldos nunca gosto de nada. Ou gosto de coisas cujo desconto é tipo dois euros. Ou não há o meu número. Ou a peça está estragada. Não consigo encontrar a peça bombástica no meio de cento e trinta outras coisas amarrotadas. Não tenho aquele jeito natural que as pessoas têm para dar de caras com aquela coisa magnífica que vai dar para ostentar o Inverno inteiro dizendo, “gostas, foi baratucho nos saldos”.

Mas dizem que a black friday é diferente. Que está tudo mesmo barato. O melhor é ir ver como é que funciona. Vou só mesmo naquela da experiência sociológica. Ver como as pessoas reagem perante outras mil pessoas com o objectivo comum de comprar a mesma coisa. Ver se as pessoas se comportam bem na altura de pagar. Ver se afinal se compra assim tanta coisa a bom preço. Vou lá ver. 

2 Comentários

  • Ellie
    25 Novembro, 2016 10:11

    A minha black friday de compras foi ontem na wook ^^

  • Green
    25 Novembro, 2016 16:40

    Eu acho mesmo que não vou, até porque não moro em nenhum dos grandes centros e imagino que os 2 centros comerciais que há em cidades vizinhas da minha terrinha, estejam a abarrotar. Boas compras :)

Deixe uma resposta