Inverno

Inverno

Os dias escuros chegam hoje. Os dias em que me sinto culpada todas as manhãs quando abandono os lençóis polares. Os dias do nariz congelado porque ainda não inventaram nada para o tapar. Gelo, o inverno é um gelo.

O Inverno se fosse uma pessoa era triste a maior parte do tempo. Zangada às vezes. Enraivecida, rabugenta. Com os azeites. De mau humor um dia ou outro. Sempre de cara para baixo. Às vezes seria chorona. De passos arrastados e bem lentos.

O Inverno se fosse uma comida era sopa fria. Não consigo comer. Se fosse uma peça de vestuário era uma galocha, bonita no principio mas incómoda no final. Se fosse um filme era o “E tudo o vento levou”.

O Inverno se fosse uma cor era azul. E branco e cinzento. É assim que eu vejo o Inverno. Com estas cores. Frias. O Inverno é frio. O Outono eu ainda tolero bem. Agora o Inverno? Enregelar de frio? Apanhar molhas e ficar a parecer um pinto? Eu visto uma camisola e um casaco e basta. Não estou para meter camadas é mais mais camadas de roupa e odeio camisolas interiores, pelo amor da santa. Meto um cachecol com frequência mas não gosto de gola alta. Sou capaz de usar um gorro para tapar as orelhas mas detesto usar luvas. Meto umas botas quentes mas as galochas não me deixam conduzir. Não sou uma pessoa friorenta. Mas isto também é demais. Uma pessoa tem que levar sempre mais roupa a contar com a noite. Não vá ficar doente. Isso é que não. Não aguento narizes a pingar.

O Inverno faz de mim uma preguiçosa, comodista e gorda. Com este frio não consigo ir correr. Dentro dos ténis não cabem duas meias. Mas o Inverno também faz de mim uma pessoa de bem com a vida capaz de ficar feliz com a mais pequena coisa. Por exemplo, ficar no sofá com uma manta, duas meias e chá, está impecável. Oitava maravilha do mundo. Ora, largar o quente da manta e calçar os ténis para correr tornam-se coisas incompatíveis. Portanto preguiça e quentinho conjugam muito melhor na minha opinião.

No Inverno a única coisa que me faz feliz são casacos fofinhos. E mantas a fazer de cachecóis. E vestir o pijama quando chegar a casa. Chegar a casa mesmo só por si, no Inverno, já me faz feliz. E as minhas pantufas novas. Também sou feliz com elas.

Sou capaz de odiar o tempo de Inverno. Mas ao mesmo tempo tenho um imaginário deste tempo frio bastante idílico, digamos assim. Quando penso na palavra Inverno imagino sempre neve nas montanhas. Casaquinhos felpudos. Uma caneca de chocolate quente na mão. Umas torradas a fumegar. E uma sala com lareira. Com cheiro de lenha a crepitar. Da janela ver um boneco de neve com uma cenoura como nariz. Isso sim seria o meu Inverno ideal. Um Inverno digno de nome e bonito. Desse Inverno eu ia gostar tanto! Agora isto? Pessoas de um lado para o outro, molhadas, com chapéus de chuva partidos a deixar passar água? Nos transportes autocarros inundados de gente chateada? Na estrada lençóis de água e nevoeiro? Ventanias de meia noite, raios e trovões? Temporais e inundações? Ah, literalmente raios parta!

1 Comente

  • Green
    21 Dezembro, 2016 14:53

    Concordo tanto contigo, também não gosto nada deste tempo gelado, no entanto, neve também dispenso bem. A verdade é que, tal como diz a música, “eu gosto é do verão…” 🙂
    Mas já que temos de “levar” com o inverno, pois que venha mas que seja breve sff.

Deixe uma resposta