30 days of Gratitude: os resultados

30 days of Gratitude: os resultados

Às vezes parece que os dias nos correm tão mal que não temos nada para agradecer. Há dias em que deitamos a cabeça na almofada e só nos apetece adormecer rapidamente para chegar depressa o amanhã. Há dias que são para esquecer.

Eu achei que os meus dias não podiam correr assim tão mal. Eu estava, claramente, a exagerar. Como sempre. E, então, decidi fazer o plano dos 30 dias de gratidão: responder a uma pergunta por dia dizendo uma coisa sobre a qual estivesse agradecida. Custa-me confessar que não resultou muito bem. Não porque não consegui encontrar alguma coisa boa em cada dia, isso até consegui. Mas sim porque não foi a forma mais correta de agradecer. O desafio consistia em responder a perguntas sobre uma coisa concreta. E nesse caso eu não me lembrava de nada que correspondesse àquela categoria que tivesse acontecido nesse dia. Eu consigo compreender que o desafio estava mesmo aí. Mas para começar talvez não tenha sido a melhor forma. Eu devia parar e pensar e conseguir encontrar coisas simples, mas devia ser eu a encontrá-las.

No primeiro dia perguntava-me a que cheiro eu estava agradecida. Eu respondi ao cheiro dos morangos frescos no frigorífico. No dia seguinte perguntou-me a que tecnologia estava agradecida. E eu respondi que era à hipótese de puder andar para trás no gravador para ver programas na televisão. Mas seria isso mesmo que merecia o meu agradecimento?

Depois houve dias em que a pergunta era qual era o sabor a que eu estava mais agradecida. Qual era o som. Qual era a peça de arte. E eu, que estava a espera de uma coisa mais introspectiva e que me obrigasse a pensar e refletir, ia respondendo a isto sem grande ânimo. No final, o que senti foi que estava a responder com coisas que fazia, ou de que gostava no geral, e não com uma coisa especifica que tivesse acontecido naquele dia. E isso não fazia sentido, porque não era a isso a que me tinha proposto. Sendo assim o resultado acabou por ser uma reflexão de coisas de eu gosto e não pelas quais estou agradecida.

Resolvi então mudar de estratégia e chegado o fim do desafio, resolvi que tenho que fazer isso por mim. Tenho que chegar ao final do dia e encontrar os meus pontos fortes e positivos baseados nas minhas experiências e vivências desse dia. E se os dias forem todos iguais? Bem, então talvez esse é que seja o verdadeiro desafio.

 

Deixe uma resposta