Escrever na rua

Escrever na rua

Escrevi sozinha na rua. Nunca tinha escrito, deitada numa manta de retalhos, no jardim. Havia sombras mas eu escolhi o sol, porque o vento era frio e assim sempre estava mais aconchegada. O sol a bater na nossa cara é sempre reconfortante. Abri o meu caderno e dei corda à caneta. Não era uma caneta de penas, mas era a minha companheira para essa tarde. Escrevi até me doer o calo do dedo dos tempos de escola.

Eu e as canetas temos uma ligação especial. Tenho sempre uma data delas. E não gosto de todas porque acho que nem todas me fazem a letra bonita. Também não gosto quando lhes perco as tampas. É um bocadinho estranho. Também era estranho estar a escrever ali deitada, já me doíam as costas, que a pessoa já não vai para nova. Mas não me desfiz. Continuei ali deitada que quando estamos inspirados não se pode bloquear a escrita.

As pessoas iam passando. Acho que estavam a apanhar pokemons. Pensei que isso tinha acabado. Eu própria cheguei a jogar, mas acabei com tudo quando os bichos me fugiam. Não tinha paciência. Então ali fiquei eu na mesma posição enquanto o vento me incomodava e insistia em mudar-me a página ou levar-me o cabelo para a frente da cara.

Há muita gente que vem para o parque ler. Sentam-se ali sozinhos nos bancos. As pessoas dos bancos dos jardim. Dava outro post. Eu não gosto de fazer muitas coisas sozinha. Mas estou aqui a compreender como é que é. E gostei de estar naquele dia deitada no jardim a escrever.

O que escrevi naquele dia deitada na manta no jardim foi uma coisa meio aleatória. Sem sentido até. Sem coerência, sem caminho certo, só pelo prazer de escrever, de passar para o papel os meus pensamentos através de uma caneta. Não faz mal, hei-de retirar destes gatafunhos, escritos à mão, algum sentido para outros textos.

2 Comentários

  • Palavra de Bailarina by Joana Duarte
    15 Agosto, 2017 19:04

    Escrever, ainda que de forma aleatória, é maravilhoso. É como uma terapia. E escrever num local público, em que vão passando pessoas nos seus afazeres, e concentrarmo-nos apenas na caneta, no papel e nas palavras é o meu tipo de “meditação” preferido. Não temos os olhos fechados, mas dá para nos encontrar-nos a nós mesmos neste exercício. Faz isso mais vezes, vais adorar :) Eu adoro fazê-lo em cafés e na praia. Escrevi o meu primeiro livro num café em Campo de Ourique antes de ir trabalhar, e o meu segundo livro à beira da piscina, nas minhas férias pelo Algarve. Nunca “sozinha”, mas sempre comigo mesma :) Um grande beijinho!

    • Andreia Moita
      15 Agosto, 2017 19:08

      Nunca tinha pensado que isto poderia ser uma forma de meditar. Que interessante, ainda me bem que me dizes isso. Farei mais vezes, a sensação foi muito boa, muito livre, muito espontânea. Obrigada pela mensagem. Beijinho :)

Deixe uma resposta