Author page: Andreia Moita

Food, Passear por cá

Restaurantes | El clandestino

Há muita comida que eu não gosto, sou uma esquisita assumida. Mas nunca encontro grandes dificuldades em experimentar restaurantes novos porque a oferta está de facto cada vez mais e melhor em Lisboa. Adoro comida mexicana e quando encontro um restaurante que serve este tipo de comida os meus olhos saltam das órbitas. Por isso mesmo fui conhecer o El Clandestino. Continuar a ler

Dia-a-dia, Histórias

Bless woman | ser mulher de coragem

Estava a adiar escrever este post porque tenho a cabeça muito cheia com aquilo que aconteceu no dia de domingo. Apesar de ter aprendido muitas coisas e ter muitas coisas para escrever aqui e vos contar, estava com medo de não conseguir expressar-me, da forma merecida, sobre tudo o que aconteceu. Mas uma das coisas que aprendi foi que não faz mal ter medo e então larguei o sofá e vim meter os dedos a trabalhar. Continuar a ler

Dia-a-dia, Livros

O poder da retórica e a sociedade actual

Usar a palavra. Falar em público. Passar uma mensagem. A retórica é uma arte de falar e de usar a linguagem como forma de comunicação eficaz e persuasiva. A retórica é um poder que a sociedade nos atribui para influenciar pessoas. De forma positiva, através da reflexão e consciência ou de forma negativa, através de artimanhas enganadoras. Que forma querem usar a vossa?  Continuar a ler

Histórias, Livros

Páginas Salteadas | Receitas peculiares

Normalmente não escolhemos temas para as nossas receitas nem definimos assuntos para os nossos livros no Páginas Salteadas. Mas em Outubro sabíamos que queríamos algo relacionado com o Halloween. Mas como somos diferentes, não podia ser assim tão óbvio. Não escolhemos um livro de bruxas nem histórias de fantasmas. Não optamos por nada assustador, só um bocado enigmático. Escolhemos o livro de Ransom Riggs “A casa da senhora Peregrine para crianças peculiares”. Continuar a ler

Música

Clarice Falcão, as canções

Conheci o trabalho da Clarice Falcão como atriz no “Porta dos Fundos”. Houve uma altura em que eu era muito fã dos sckechers de humor deste grupo brasileiro e ela era a minha preferida. Há passagens que eu sou capaz de saber de cor porque acho o humor uma arma extremamente poderosa e uma maneira muito forte de passar uma mensagem. Acho que gostava de fazer humor, na verdade, sinto uma enorme felicidade quando faço rir alguém. Continuar a ler