Pessoas conhecidas no ginásio

Pessoas conhecidas no ginásio

Ah e quando pensamos que os ginásios já não têm mais nada para dar eis que surgem temas. E quando pensamos que já não há nada mais que possa ser dito e comentado, eis que eu trago uma coisa importantíssima a ser debatida.A sério, já falámos aqui das coisas mais irritantes dos ginásio, já falámos sobre o estranho mundo dos balneários, até já abordámos a parvoíce do descanso activo! Mas ainda não tínhamos falado daquele flagelo que é…encontrar alguém conhecido no ginásio.

Vamos lá ver. Haverá alguma coisa mais constrangedora do que encontrar uma pessoa conhecida quando estamos com roupas de treino, com o cabelo desgranhado, sem maquilhagem e ainda a transpirar e a fazer caretas numa qualquer máquina da morte na sala do ginásio? Pensem. Ao pé disto, as pessoas que andam nuas nos balneários a meter creme são o menos importante. Ao pé disto os assentos triangulares das bicicletas não são nada. Toda a gente sabe que nas alturas em que não podemos encontrar ninguém é quando vamos mesmo encontrar. É como quando vamos só ali ao lixo de calças de fato de treino e rabo de cavalo. Nessa altura vai aparecer um vizinho giro no elevador.

É que é assim, quando estou a falar de encontrar pessoas não estou a falar dos nossos amigos com quem jantámos na semana passada. Com esses eu vou ao ginásio, não os encontro, percebem? Eu estou a falar daquelas pessoas que não vemos há anos e queremos tudo menos que nos vejam naquelas tristes figuras. Estou a falar da vizinha invejosa. Estou a falar de alguém do trabalho, por exemplo. Daquela inimiga que vai amar contar como dançavas fora do ritmo na aula de zumba. Estou a falar daquele crush que tínhamos quando andávamos na escola (mesmo que tenha sido há duzentos anos, não interessa). Estou a falar de pessoas que não podem, em circunstância alguma, ver-nos a celulite a abanar no step, percebem?

Se isto acontecer o que é que fazemos? É que se estivermos a fazer o running a pessoa passa tipo rápido porque não se pode parar o contador e estragar o tempo, né? Mas no ginásio, dizemos um “olá tudo bem” e fazemos de conta que não estamos nem aí? Damos um “oi” tímido de longe? Acenamos com o braço colado ao corpo de modo a não verem o nosso músculo do adeus demasiado caído? Usamos o truque de “estou ver qualquer coisa no telemóvel e não te estou a ver a ti”? Fingimos que não vemos, porque afinal, toda a gente sabe que vemos mal ao longe? Admitam, já viram alguém que não queriam em pleno ginásio quando estão a dar tudo, não já?

3 Comentários

  • As coisas dela
    23 Novembro, 2017 16:29

    No ginásio não mas acredita que já encontrei pessoas conhecidas nos piores sítios que podia encontrar. Haja coragem para esses momentos! Ahah Beijinhos*

  • Susana
    23 Novembro, 2017 18:39

    Ah ah… pensa assim; essa pessoa está a pensar exatamente o mesmo que tu e desolada porque encontrou uma pessoa conhecida que a viu com «roupas de treino, com o cabelo desgranhado, sem maquilhagem e ainda a transpirar e a fazer caretas numa qualquer máquina da morte na sala do ginásio». Vamos sempre pensar positivo… ela também não gostou que a visses 😉

  • Green
    24 Novembro, 2017 0:06

    Como vivo numa aldeia e vou ao ginásio numa vila perto de casa não me deparo bem com isso, pois 90% das pessoas que frequentam o mesmo ginásio que eu são vizinhos, amigos, conhecidos, etc. Ando lá desde 2011 e já estou tão habituada, que já nem ligo. Mas entendo que quando se vive numa cidade a probabilidade de encontrar alguém conhecido seja reduzida, daí a estranheza.

Deixe uma resposta