Séries - the resident

Acho que gosto mais de ver séries do que filmes. Claro que há filmes de que gosto bastante mas isso não bate a sensação de uma série me acompanhar durante algum tempo. Posto isto vou falar das séries do momento. Das minhas séries e do meu momento, claro.

Estive a pensar e é normal as pessoas verem várias séries ao mesmo tempo. Talvez porque tenhamos de esperar uma semana para ver a continuação dos episódios. Outras vezes temos de esperar anos pela volta das séries. Posto isto decidi dividir as séries que vejo, neste momento, por categorias, e vou-vos falar delas.

As séries que continuo a ver pela mesma razão pela qual sou incapaz de deixar um livro a meio:

“Anatomia de Grey”. Já não tem a mesma graça e encanto que tinha na altura de Derek e Sloan. Esta é a verdade. Ali até à quarta temporada foi uma história incrível. Agora inventaram um nova irmã para Meredith que não tem absolutamente ponta de graça e em nada se compara à minha querida Lexie. Já nem a história de Jackson com April prende ninguém (aliás, só nos afasta). Não vejo mais coisas que sejam possíveis ser inventadas e que ao mesmo tempo façam sentido nesta série. Só Karev consegue (continuar) manter a minha atenção.

“Onde upon a time”. Adorei esta série no princípio. Uma história a volta dos contos de fada, tornando-os um bocadinho parte da realidade. Foi magnífica mas teve o seu tempo. Já deu tantas voltas desnecessárias. Neste momento, na sétima temporada, a história está praticamente a repetir-se. Praticamente não. Está mesmo a repetir-se. Estão a acontecer as mesas coisas, exatamente iguais, mas com outras personagens.

As séries que vejo há algum tempo e continuo a gostar:

This is us“. É a minha série preferida das que estou a ver agora. Uma história terrivelmente bem escrita, bem feita, bem interpretada, bem gravada. Tudo nela está magistralmente bom. O enredo, a história, as personagens. Tudo tão bem construído. É um drama, mas um drama real. Uma história triste, mas tão boa, em que podes chorar e rir no mesmo episódio várias vezes. Chega a ser deprimente querer tanto vê-la. Mas gosto tanto daquelas pessoas, daquelas vidas. Esta série tem uma capacidade de reviravolta e de surpreender que falta a muitas séries e é isso que faz dela uma das melhores.

“Narcos”. É a verdadeira história de Pablo Escobar e de como ele se tornou o maior narcotraficante da Colômbia e da história. Pablo desperta em nós, espectadores, vários sentimentos. Eu gosto desta série porque é diferente de todas as outras que eu vejo, a nível de temática, mas devo confessar que já adormeci algumas vezes a vê-la.

As séries que ainda são novas:

“The resident”. Outra história de médicos. Eu sei, eu sei. Mas esta história é meio diferente. Está mais parecida com Dr.House do que com Anatomia de Grey. Ainda só deram três ou quatro episódios, na Fox Life, ainda não consigo explicar muito bem do que se trata, mas anda muito à volta das questões legais e sobretudo éticas na prática da medicina. Até onde se pode ir para salvar vidas?

“American crime story – o assassinato de Gianni Versace”. Esta série conta-nos a história do grande estilista que morreu assassinado à porta de casa e do louco que o matou. Basicamente é isto. Tem contornos um bocado complicados e temáticas como a homossexualidade e o mundo tramado da moda, bem como a loucura a que um ser humano pode chegar para praticar o acto de matar deliberadamente.

As séries que mal posso esperar que voltem:

“Stranger things”. Volta, por favor, volta. Nunca tinha visto nada parecido com esta história e fiquei totalmente agarrada durante as duas séries da Netflix. Coisas estranhas começam a acontecer na cidade e são as crianças que vão seguir as principais pistas. Como não amar estes pequenos detectives? A interpretação dos miúdos é espetacular e uma mega salva de palmas para Eleven, de quem sou a maior fã.

“Westworld”. Foi a minha série preferida de todos os tempos, a seguir a “Lost“, claro, essa vai ser sempre a minha favorita, ainda não foi destronada. Tem a ver com o mundo dos cowboys, tem a ver com o mundo da ficção científica e da inteligência artificial. O que é que um mundo tem a ver com o outro? Tem tudo, porque nada é o que parece. Eu sei que isto é uma definição básica de uma série, mas é mesmo isto. Esta história tem todas as coisas que eu gosto e que me fazem seguir uma série do princípio ao fim. Suspense e surpresa. Vários tempos. Várias coisas que são e não são. Acabar um episódio e ficar de boca aberta porque “então afinal aquele ou aquilo era…”. Sim, é isto que resulta para mim numa série.

 

E vocês? Estão a ver alguma destas séries? Pelas mesmas razões que eu ou discordam? E o que andam a ver que eu não mencionei aqui e devia acompanhar? Contem-me.