Coisas que aconteceram há vinte anos

Coisas que aconteceram há vinte anos

Deparei-me com a problemática que é já conseguir dizer “isso foi há vinte anos”. Por amor de deus. Lá vamos nós outra vez entrar nesta coisa das idades. E lembrar-me de coisas que aconteceram há vinte anos não abona muito a favor da minha juventude.

Ora bem.Tenho trinta, não me enervem. Já ultrapassei isso. Agora estamos aqui a falar das coisas que aconteceram há vinte anos e portanto lembro-me bem porque tinha dez. Tudo números redondos, estão a ver isto? Esta foto não foi há vinte anos. É pior, porque foi há mais! Não combina com o texto, mas gosto muito dela.

Parece estranho. Não me sinto nada velha para ter estas conversas do “no meu tempo”, mas a verdade é que é mesmo giro (e aterrador) perceber as coisas pelas quais já passamos e que pessoas mais novas não compreenderão. É assim uma espécie de revivalismo e experiência ao mesmo tempo. Acho que vivo o melhor de dois mundos porque ainda escrevi à máquina (e vi as folhas ficarem encravadas) mas também vi o aparecimento da internet (onde só podíamos ficar meia hora senão a conta do telefone disparava). Tinha uma coleção de vhs que odiava ter quer as rebobinar (verbo “rebobinar”, lindo). Tinha um gira-discos onde ouvia as músicas da rua sésamo. Era o fim do mundo quando as cassetes do meu walkman ficavam com a fita de fora (e morriam para a vida) e depois disto ainda assistir ao aparecimento do discman e depois dos mp3.

Há vinte anos eu ouvia Backstreet Boys (Nick Forever), Spice Girls (Eu era a Emma. Como podem observar, era imenso parecida comigo. Not!) e Britney Spears. Dançava e cantava fazendo verdadeiros espetáculos no quarto com o som dos Onda Choc. Fazia teatros, brincava com bonecas e queria ser professora antes de querer ser jornalista. Há vinte anos escrevia nos meus diários sem saber que hoje ia escrever aqui, mas já a saber que ia escrever sempre. Ha vinte anos lia livros da coleção “Uma Aventura” e da “Anita”. Era bem fácil. Eu adorei a minha infância e sempre a hei-de lembrar com felicidade.

Já quando falei dos programas de televisão antigos senti algo parecido com este saudosismo bom. Sinto que nasci no tempo certo porque sei um bocadinho do que se passou antes e gosto muito e vivi o aparecimento de coisas que hoje nos são tão básicas. Acho que é isto que significa ser millennial. É ter orgulho de experimentar os dois lados da barricada e hoje poder estar aqui a reviver momentos e coisas que aconteceram há vinte anos. Já lá tão longe, quando nem adolescente era. Era criança.

Quais são estas coisas que aconteceram há vinte anos?
  • Expo 98: Tenho que mencionar a Expo 98 por dois motivos. O primeiro é que me lembro, perfeitamente, de lá andar de passaporte na mão para recolher os carimbos de todos os pavilhões em que conseguia entrar. E digo conseguir porque também me lembro de passar eternidades nas filas. Só no Oceanário foram três horas. Até um lanchinho fiz na fila, que eu era uma criança, precisava de comer. O segundo motivo pelo qual me lembro deste evento é porque passo muito tempo no parque das nações, portanto vejo todas as transformações que tem tido.
  • Ponte Vasco da Gama: Vocês lembram-se das mesas que lá foram postas para as pessoas irem comer uma mega feijoada no dia da inauguração? Eu não fui, mas vi pela televisão. Que maneira tão portuguesa de comemorar.
  • Músicas: Não é que eu fosse a maior fã de todas as músicas de Silence 4. Aliás sou hoje mais fã do David a solo. Mas caramba, lembro-me perfeitamente da música “Borrow”. E se a ouvir agora sou capaz de a cantar do principio ao fim sem me enganar na letra. O nosso cérebro é capaz das melhores coisas.
  • José Saramago ganha o nobel da literatura: soube disto através de um vídeo por causa do aniversário da fnac (que também faz vinte anos). Nunca li nada do Saramago e devia levar reguadas por revelar isto em público.
  • Estreou o Rei Leão II. A história de Kiara e de Kovu entrou no meu imaginário. Fazia altos musicais no meu quarto com as canções deste filme que, obviamente, ainda sei.
  • Estreou o Batatoon: Era um programa de televisão infantil feito pelos palhaços Batatinha e Companhia.
  • Estreou a série portuguesa Médico de família: Eu adorava esta série com o Fernando Luís, a Rita Blanco e a Maria João Abreu. Eram ainda miúdos o Francisco Garcia, a Sara Norte e o Rodrigo Saraiva. Relatava basicamente a vida de um pai de família que tomava conta dos filhos e era médico num centro de saúde.

E então, lembram-se disto? Agora que vos deixei com saudades destes tempos digam-me do que é que eu me esqueci? Que coisas que aconteceram há vinte anos é que vocês se lembram e que eu não escrevi aqui?

6 Comentários

  • Joana
    16 Março, 2018 15:58

    Olá! Gostei do teu cantinho, beijinhos ❤

    • Andreia Moita
      24 Março, 2018 14:45

      Obrigada! Beijinhos

  • Green
    16 Março, 2018 22:10

    Lembro-me de muitas dessas coisas, realmente o tempo passa a voar e 30 anos passam mesmo num piscar de olhos. Belas recordações 🙂

    • Andreia Moita
      24 Março, 2018 14:45

      Vê lá. Já posso dizer “há vinte anos” que coisa assustadora e ao mesmo tempo boa. É estranho!

  • Daniela Soares
    19 Março, 2018 10:58

    Eu vou fazer 25 anos por isso não posso dizer que tenho uma imagem tão nítida dessas coisas todas como tu mas ainda assim estão todas presentes na minha memória. A Expo 98, ouvia Backstreet Boys com as minhas primas que são mais velhas, amava o Batatoon, via o Médico de família… Ah, e tens que ler Saramago, o homem escrevia muito bem mesmo!:p

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    • Andreia Moita
      24 Março, 2018 14:44

      Saramago… uma falha minha, eu sei. A ver se resolvo!

Deixe uma resposta