Revista In the Moment

Está confirmado, eu estou fã da Revista In the Moment e tenho-a comprado, religiosamente, desde o início do ano. Em todas as edições há temas que me interessam e que são sempre diferentes uns dos outros, ao mesmo tempo que respeitam as três premissas da revista: mindfulness, criatividade e bem-estar.

Como já tinha mencionado quando escrevi sobre a In the Moment de Janeiro, eu leio esta revista como se fosse um livro. Não deixo escapar nenhum artigo, como acontece com as outras revistas, percebem? Os temas abordados têm sempre o objectivo de nos fazer sossegar, pensar, digerir e depois agir de forma criativa, com vista ao nosso bem-estar. O que é que isto quer dizer? No meu entender, esta revista aposta em artigos para sermos mais positivos mas também para nos entendermos melhor e pensarmos em coisas que estão fora da rotina do nosso dia-a-dia. E depois, em última instância apela à nossa criatividade para estarmos presentes no momento e proporcionarmos a nós mesmos bem-estar.

Esta edição de Março da In the Moment dedica-se à mulher ou não fosse este, por excelência o mês que nos é dedicado. Fala do poder no feminino e na irmandade que podemos ser enquanto mulheres. Como falei no artigo que escrevi para o dia da mulher, juntas podemos ser muito mais e muito melhores. #togetherwestand

Mas há mais coisas que me agradaram nesta edição e que, portanto, merecem a minha atenção e reflexão:

Razões para ser alegre

Quando bati de frente com este título interessei-me de imediato. Quem me conhece já sabe que uma das coisas que mais gosto de fazer é rir. Porque é simples, é fácil, é bom. Se nos permitirmos rir de tudo à nossa volta, e também de nós mesmos, as coisas tornam-se um bocado mais leves. Este artigo fala no poder do riso e em como ele nos pode ajudar. É de todo verdade.

Eu rio muito. Até mesmo em situações em que não devia. Estão a ver quando dizem “não te rias agora?”. Sim, eu rio-me. Eu rio no carro com o programa da rádio. Eu rio sozinha em casa. Eu rio dos disparates que eu própria digo e faço. Eu estou quase sempre a rir e faz-me bem a mim e a quem está à minha volta, acho eu. Rir não quer dizer que estamos sempre felizes. Pelo contrário, rir é a solução para quando não estamos.

Como ser mais corajoso

Aqui tocaram-me na ferida. Fala-se muito de coragem. Mas o que é isso? É confrontar os medos. Ter confiança e angariar novas oportunidades. No ano passado tive o prazer de ouvir muitas mulheres corajosas na conferência da Bless Woman. E achei que elas tinham uma história de coragem que eu ainda não tinha. Mas terei a minha história. E tenho alguns actos de coragem que me abrem muitas portas. Ter ido ao Bloggers Camp o ano passado foi uma delas. E co-organizar o Blogging for a cause foi outra. Mas também tenho muitos medos que me causam impedimentos, eu tenho noção disso. Tenho, portanto medo numas situações e coragem noutras. Tenho que decidir com qual delas quero seguir em frente.

Recuperar o fim-de-semana

Este foi o artigo mais surpreendente da revista In the moment deste mês. Eu adorei lê-lo e fiquei a pensar mesmo nisto. O fim-de-semana existe com um propósito. O de descansarmos e libertarmos a mente com outras actividades. Então se é assim, porque raio é que usamos o fim-de-semana para trabalhar mais do que durante a semana? Metemos roupa a lavar, limpamos a casa, preparamos comida, vamos aqui e ali, as mães fazem os trabalhos com os filhos e vão com eles ao futebol. E o tempo para nos livrarmos do stress? Para ler um livro de manta no sofá? Temos de falar mais sobre isto!

A arte das agendas personalizadas

Hoje em dia estão na moda os Bullet Journal em que nós fazemos a nossa própria agenda de acordo com as nossas necessidades. Podemos desenhar e escrever ao mesmo tempo. Eu nunca fiz nenhum porque gosto de me reger pelas agendas que já existem e organizo-me bem com elas e com os meus blocos de notas (sou tipo a doida dos cadernos). Mas e vocês, dão-se bem com os bullet journal?

 

Há muito muito mais dentro da revista In th moment. Mas não vos quero revelar tudo para não estragar a surpresa que é poder abri-la. Como disse, trato esta revista como um livro, e por isso mesmo, se reparem, dei a minha opinião sobre os assuntos em vez de vos dizer o que a revista diz sobre eles ou fazer citações. Se conhecerem mais revistas deste género, digam-me, que eu adoro conhecer coisas novas.