Piodão e outros tesouros das aldeias de xisto

Piodão e outros tesouros das aldeias de xisto

Tenho um certo fascínio por vilas rústicas. Só que, claramente, sou uma rapariga da cidade e por isso é que acho esta minha ligação às vilas do interior uma coisa meio estranha. É um gosto que está cá dentro e que se manifesta de vez em quando. Visitei o Piodão há pouco tempo pela primeira vez e adorei.

Sou da cidade e tenho um gosto moderno. Mas sinto um apelo pelo que é rústico e nunca soube de onde vem. É uma coisa intrínseca e interior. Associo isso à minha infância, talvez venha daí. Houve um tempo da minha vida em que passava todos os verões com os meus avós na terra, no norte. E não era uma imposição nem uma obrigação. Eu queria mesmo ir. Era um sítio com casas de pedra, com fontes com água fresca e pastores. O café ou a mercearia eram o ponto de encontro e só a vizinha lá do fundo é que tinha telefone. Televisão nem vê-la. Eram dias a jogar às cartas e a brincar às bonecas numa aldeia onde todos eram primos de toda a gente.

Talvez seja este regresso ao antigamente e esta ligação à terra que me faça gostar de tudo o que é pitoresco e antigo. Nós, os millennials temos os privilégio de ter visto acontecer muitas mudanças. E não foi só a passagem da máquina de escrever para o computador. Nós vimos a transformação das aldeias. E lembramo-nos bem do que eram os tempos em que tínhamos que ir lavar a roupa ao tanque. Eu lembro-me e digo-vos já que era das minhas tarefas preferidas (agora meter a roupa a lavar…ter de a estender, apanhar, dobrar, arrumar já não tem graça nenhuma. Roupa só gosto mesmo de comprar!)

Quando comecei a ver as Serras do Açor e da Lousã foram mais ou menos estas memórias que me vieram à cabeça. Mas estas memórias de infância não foram as únicas. Lembrei-me imediatamente daqueles trabalhos de escola em que tínhamos que fazer as casas típicas de cada região de Portugal. As casas da Beira interior, da Beira Baixa, do Ribatejo, as casas tipicas da Madeira, vocês lembram-se disto? Eu recordo-me de fazer colagens e pinturas com estas casinhas de madeira e de pedra. Estas mesmas que fui encontrar no meio da serra, no Piodão.

Piodão, a terra rústica e mais conhecida pela aldeia presépio

Percebo esta designação de aldeia presépio. A associação do Piodão ao natal é perfeitamente clara, pelo estilo rústico, pelo conforto que se sente, pelas cores. Estava calor quando eu lá estive mas parece-me que em pleno inverno faça ainda mais sentido.

Pelas pequenas ruelas encontramos várias casas fechadas onde não vive ninguém, mas muitas ainda são habitadas e alguns moradores fazem lá mesmo os seus pequenos negócios através da venda de pequenos artigos feitos por eles, à mão, e vendidos às suas portas.

A aldeia do Piodão deixou de estar esquecida nos últimos anos e passou a fazer parte de muitos roteiros turísticos pelo que se vê muita gente a visitar e a fotografar (estrangeiros até).

As aldeias e Xisto

São vinte e sete as aldeias que compõem as chamadas aldeias de Xisto e estão todas na região centro dividas por grupos: Serra da lousã, Serra do açor; Zêzere e Tejo-Ocreza.

Eu estava de passagem e não estava prevista uma visita pelo que não pude fazer um grande roteiro. É impossível conhecer tudo numa semana, quanto mais num dia. Há muita coisa a visitar, muitos locais surpreendentes e muitos sítios de natureza capazes de nos impressionar. Muita desta paisagem hoje não é verde, porque foi terrivelmente afetada pelos incêndios do ano passado, mas lentamente a coisa vai-se compôr.

Foz d’Égua

É o ponto de encontro entre a ribeira do Piodão e de Chãs. A paisagem é incrível com uma tranquilidade e silêncio incríveis. Tem alguns trilhos, mas é preciso fazê-los com cuidado e alguma experiência.

Taslanal

A serra da Lousã é um dos grupos de compõe as aldeias de Xisto. Há várias localidades que fazem parte deste grupo e o Talasnal é dos mais emblemáticos. (Não confundir com Taj Mahal) É uma fofura esta aldeia. Sim, fofura foi a palavra que me ocorreu dizer! É mesmo um exemplo de aldeia parada no tempo mas super arranjadinha. Uma das coisas que reparei, além das curvas para lá chegar, foi a quantidade de espaços para dormir que existem na zona. Para quem gosta de paisagem, paz e tranquilidade para descansar e relaxar um bocadinho nos ares da serra, deve ser absolutamente brutal ficar alojado ali.

Já conhecem estes caminhos de Portugal? Estes pedaços de tradição? Têm sugestões de sítios a visitar dentro do género? Gostam destes passeios por cá? E sentem este apego ao rústico e à terra?

3 Comentários

  • Filipa
    22 Outubro, 2018 12:21

    Realmente é um local lindo!

  • Green
    23 Outubro, 2018 12:52

    Fui a Piódão em Abril e adorei, vale a pena o caminho terrível que se faz até lá e que parece nunca acabar, tive foi azar pois choveu e não deu para aproveitar tanto quanto queríamos, mas vale realmente muito a pena.

  • JU VIBES
    29 Outubro, 2018 22:06

    Há muito tempo que quero ir a Piodão exatamente por ser o tipo de turismo que me agrada. Mas tal como tu, preenchia a frase “preciso de” com tempo. Preciso mesmo de tempo para o fazer. Gostava de lá ir ainda este inverno. Quem sabe?
    Deixaste-me curiosa! Ainda mais!

    JU VIBES | @itsjuvibes ❤

Deixe uma resposta