“Mudas de casa. E na tua estante nova só tens espaço para ter 4 autores e 3 livros. Quais escolhes?” Esta é a premissa deste post para comemorar o Dia Mundial do Livro, ideia da Andreia Morais, dona do blog As Gavetas da minha Casa Encantada.

A ideia da Andreia é que falemos de quatro autores dos quais gostamos (obviamente) e de três livros que nos tenham marcado de alguma forma (de autores diferentes), fazendo o total de sete, o seu número preferido. Depois no final, vamos responder a umas “Perguntas de Bolso”. Vamos, então jogar a isto. Mas vou já avisar…vou fazer batota!

Estante Cápsula no Dia Mundial do Livro

Olhem eu não sei. É difícil para mim escolher coisas preferidas, com número limitado assim, sabem? (Esperem até chegar aos três livros, que vai piorar).

Tenho medo de deixar coisas importantes de fora e depois vêm atrás de mim um pau. Percebem? Aceitei este desafio para prestar homenagem ao Dia Mundial do Livro, mas vou já avisando…vou fazer batota!

Quatro Autores

Eu não tenho por hábito ler muitos livros do mesmo autor, mas acontece com um outro, sim. Mas também já aconteceu ter ficado tão impressionada com uma história de um autor e depois ler outra a seguir e já não achar nada cativante.

Então para dizer que gosto de um autor tenho que ter lido mais do que dois livros dele e ter gostado de todos. Pronto, pode não ser obrigatório, mas eu acho que para meter um escritor aqui tenho tem que ser assim. Vou por ai, para me safar, entendem?

J.K.Rowlling

Esta é a escolha óbvia da minha parte. No Dia Mundial do Livro nunca poderia faltar uma referência a ela. J.K.Rowlling escreveu a maior saga de todos os tempos. Se eu sou louca por aquela história a ela o devo, pela forma como a contou. A escrita dela é tão realista que é capaz de nos transportar para dentro de um sitio que não existe! Já pensaram nisto? As descrições, as personagens, o enredo. E o facto de a magia durar desde que eramos miúdos até hoje. E conseguir juntar pessoas de todas as idades à volta da história. Isto tudo acontece por causa da maneira como alguém escreve. É muito poder. (Portanto deixo já aqui a minha referência a Harry Potter e ganho espaço na categoria dos livros preferidos. )

José Rodrigues dos Santos e Dan Brown (dois em um – porque o estilo de escrita é muito parecido a meu ver).

Nem quero saber se é controverso ou se é literatura isto ou aquilo. Eu gosto. Entretenho-me. Gosto do tipo de escrita do José Rodrigues dos Santos e do Dan Brown. E gosto das histórias de mistério e suspense misturada com um problema/tema atual.

Ambos utilizam uma técnica de escrita que eu aprecio particularmente que é…capítulos curtos, que acabam sempre com um suspense e a seguir entra outra cena para nos deixar pendurados e com curiosidade para ler esse capitulo rápido e passar para o outro para saber o que aconteceu. Neste Dia Mundial do Livro estes dois autores tinham que estar aqui, porque efetivamente já li muitos livros deles e gostei sempre.

Gonçalo Cadilhe

Vou escolher aqui uma área diferente. Descobri há uns anos que gosto de ler os livros de viagens do Gonçalo Cadilhe. Seria altamente improvável porque o género de viagem dele não é o meu, mas fazer o que ele faz é todo uma coisa que eu gostava de fazer: Viajar e escrever sobre viagens. Por isso merece este meu destaque no Dia Mundial do Livro.

Os livros dele não são sobre dicas de viagens, nem têm hotéis da moda e sítios para comer coisas saudáveis. Os livros dele são sobre histórias. Histórias em e de viagem!

Estante Cápsula – Três Livros

Já que não posso referir Harry Potter (porque já falei – pumbas!) vou falar de outros que gostei e me marcaram de alguma forma. Tenho muitos livros de que gosto, alguns dos quais li há pouco tempo. Mas vou escolher livros que li há muito tempo. Porque acho que se ainda me lembro deles, é porque me marcaram mesmo e não só porque estão na minha memória recente. As coisas que eu invento para justificar só poder escolher três histórias no Dia Mundial do Livro.

“O Mundo de Sofia”

Este livro é sobre Filosofia. Como é que um livro sobre Filosofia marca alguém? Olhem marcou-me a mim. Sou estranha. Li-o quando estava no décimo ano (portanto há uns 16 ou 17 anos, jesus do céu, foi em mil nove e troca o passo). Comecei a ter essa disciplina e soube logo que ia adorar.

No Livro, Sofia recebe cartas misteriosas com lições de filosofia e com pensamentos de grandes filósofos. Ela não sabe quem as envia e no final há um grande twist na história que nos faz ficar bem confusos. E não é isso mesmo a filosofia?

“Mulherzinhas”

Li Mulherzinhas em criança. E depois lembro-me de terem dado desenhos animados sobre esta história. Nunca a esqueci. Há uns dois anos li outra vez. Raramente repito livros. Este foi dos únicos. E a seguir li “Boas Esposas” que é a continuação que descobri entretanto. Não é a mesma coisa.

  • Já falei de Mulherzinhas aqui também e acompanhei com uma receita de cheesecake, para quem quiser!

O Homem do Ano

D.Diego (nome inventado pela própria personagem para assumir um papel de relevo na sociedade) é um homem que após algumas dificuldades na vida decide que vai vingar. E assim é. Envolve-se na política, faz contactos com grandes empresas, torna-se amigos de pessoas do governo e dos grandes grupos económicos do país. Frequenta os grandes eventos sociais, envolve-se com jornalistas e gera um círculo de influências convenientes à sua volta. Tudo baseado em falsas amizades e esquemas de favores que sempre têm como objectivo beneficiá-lo.

É hilariante, bizarro, irónico, mas apesar de tudo isso é… absolutamente possível de acontecer, tudo o que se passa neste livro. 

Perguntas de Bolso

A Andreia Morais, deixou-nos a todos, neste desafio, com algumas perguntas de Bolso, aquelas tipo resposta rápida.

  • Para acompanhar a leitura… chá e cobertor, esplanada ou toalha ao sol.
  • Sublinhar livros? Nem pensar! Satanás.
  • Uma personagem para tomar café? Sira – “O Tempo entre Costuras”
  • Team marcador de livro ou qualquer coisa serve para marcar a página? Team marcador, de preferência que venha com o próprio livro.
  • Um livro para reler? “Harry Potter”. Estou à espera de um momento para reler. Deve ser bem diferente ler agora!
  • Um livro que vos acompanha da infância? “Uma aventura”
  • Na mesa de cabeceira tenho… “1984”

Isto foi difícil. E duro. Podem ler mais coisas sobre livros nos posts que deixo em baixo, para eu não sentir que falhei por não ter mencionado algum importante?

Para terminar, notem que meti na fotografia de destaque livros de que não falo aqui (eu disse que ia haver batota) e ainda deixo uma frase de um livro que não mencionei, mas que para mim é das mais bonitas da literatura:

Acho que o importante é fazer alguma diferença – disse ela. – Mudar realmente alguma coisa, percebes? – O quê, tipo “mudar o mundo”, é isso?– Não o mundo inteiro! Só aquele bocadinho à tua volta” (One Day, David Nicholls)