Fazer mudanças

Fazer mudanças é confuso, é caótico. Há dias em que quero que tudo vá pelos ares e me sento no sofá a ver televisão à espera que as coisas se organizem sozinhas. Fazer mudanças pode ser chato, mas também é muito divertido. Primeiro foi a arrumação da casa antiga. Chegou agora a vez da arrumação da casa nova. Por isso mesmo elaborei uma série de considerações acerca deste tema.

Fazer mudanças é:
  • nunca ter as unhas pintadas porque a qualquer momento elas vão partir. E a não ser que as mãos estejam sempre enfiadas dentro de luvas (coisa que eu odeio) é possível que as unhas nem compridas possam estar. Cinderela de certeza que não fazia mais nada do que andar com o corta unhas atrás.
  • Virar mais dona de casa do que nunca. É limpar, aspirar, lavar. Depois mete os cortinados e limpa de novo. A seguir arrasta os móveis para o lugar correto e limpa outra vez. Uma vida de aspirador na mão.
  • Não saber muito bem se quero o sofá deste lado ou do outro. E não ter certeza se os tupperwares ficam bem naquele armário. Uma série de incertezas importantes e que condicionam a vida da pessoa.Vira e mexe mudo as coisas de lugar.
  • Parar horas para pensar se arrumo primeiro a cozinha ou o quarto. Porque por um lado é preciso saber onde se metem os tachos porque precisamos deles para cozinhar, mas por outro é necessário organizar a roupa e saber onde andam as meias.
  • Não saber onde está concha da sopa e combinar pratos de vidro com copos de plástico. Isto aconteceu, mas de momento já encontrei os copos e faço refeições como uma pessoa normal.
  • Contornar obstáculos. Resolvemos meter tudo no mesmo quarto e quando queremos uma coisa vamos lá buscar. O resultado é que esse quarto é um labirinto cheio de caixas e sacos. Quando vir esse quarto vazio significa que a casa está arrumada o que deve acontecer lá para perto de 2020.
O caos que vale a pena

Estes são os primeiros dias na casa nova. E no meio da roupa para lavar e das marmitas para o almoço temo-nos safado bem. Não nos apetece fazer mais nada que não seja mete-la bonita. (E dormir, também queremos muito dormir no meio disto tudo.)

Fomos bastante organizados e fizemos as mudanças com muito tempo para não estar com os stresses de última hora. Para pintar a casa e fazer as mudanças tivemos muita ajuda da nossa querida família e dos nossos bons amigos. Sem eles teria sido muito mais complicado.

Fazer mudanças é viver um bocadinho no meio do incerto. Mas não é incerta a nossa vida toda? Fazer mudanças é meio confuso. Mas há toda uma beleza poderosa de saber que estamos a construir alguma coisa do zero. A começar do início. E isso faz-me respirar de alegria cada vez que vejo estas coisas todas espalhadas pela casa. Isso, a sensação de começar de novo, faz-me sorrir cada vez que vejo alguma coisa no lugar, tal e qual como eu imaginei. Isso, faz-me crer, vai dar tudo certo. Junho sempre foi o meu mês preferido. E este ano está dar-me ainda mais um motivo para o continuar a ser.