percepção do dinheiro

Não costumamos muito falar de dinheiro aqui no blog. Aliás, falar de dinheiro na nossa vida, em geral, é ainda um bocado tabu, a não ser que seja para nos queixarmos que temos pouco. Isso é certo! Mas a verdade é que a percepção do dinheiro é diferente para casa um de nós. Tal como do “muito” e do “pouco”.

Eu cá acho que o dinheiro está mal distribuído no mundo, a verdade é essa. E não acho nada justo que uns tenham tanto e outros tenham tão pouco, ou pior…nenhum. Mas também não tenho grande solução para esse problema mundial. Vou tendo soluções para mim, que sou das que tem pouco. (Quem não acha que tem pouco, não é mesmo?)

Há realidades muito difíceis. Às vezes nem percebo a reviravolta que algumas pessoas conseguem fazer com o pouco dinheiro que têm. E depois há gente barbara de rica! Mas enfim, eu acho que nos vamos adaptando à nossa realidade consoante o dinheiro que temos, que vamos canalizando para aquilo que nos faz sentir bem (e para pagar as contas obrigatórias, claro!). No fundo, a percepção do dinheiro que temos é que nos faz agir de determinada forma com ele.

A percepção do dinheiro que temos altera a forma como olhamos para o mundo

O montante de dinheiro que temos dá-nos outra realidade do mundo e faz-nos agir de determinada forma perante as situações. Por exemplo, para mim, e face ao dinheiro que tenho, não faz sentido, neste momento, comprar uma mala de 1000 euros. Pergunto-me muitas vezes se caso fosse milionária já faria sentido comprar essa mala. Acho que não na mesma. Mas depois penso…nesse caso talvez esses mil euros fossem trocos. Não faço ideia. Agora digo que não, mas quem sabe a minha percepção da realidade não se alterasse se fosse rica. Olhem não sei, Depois digo-vos. Uma coisa é certa, não acredito em pessoas que dizem que ganhavam o euro milhões e continuavam a trabalhar. Quanto a isso, poupem-me!

Forretas ou gastadores? 

Não sei quanto a vocês mas eu costumo ser mais para o forreta do que para o gastadora. Tenho aquele sentimento que é melhor ter guardado para uma eventualidade. Mas depois também tenho fases em que dou em louca e desato a proferir a frase “o dinheiro é para gastar”. E de que adianta guardar e não viver? Matamo-nos a trabalhar para depois não aproveitar nada do que ganhamos? Se trabalho é para alguma coisa. É mais ou menos nesta dicotomia que vivo habitualmente.

Com a percepção do dinheiro que tenho neste momento, estas são as coisas onde não me importo de gastar dinheiro:

  1. Viagens (é o melhor do mundo);
  2. Livros (deve ser o que compro mais para mim);
  3. Roupa (embora não todos os meses. E custa-me comprar uma camisola acima de 20 euros, por exemplo);
  4. Almoços e jantares fora ao fim-de-semana (durante a semana já preparo as marmitas com afinco para não me stressar a fazer jantares quando chego a casa e para poupar dinheiro. Depois ao fim-de-semana é como se houvesse uma especie de desforra).

Para mim poupar dinheiro e juntar dinheiro são coisas diferentes

Pode parecer confuso ou mesmo sem noção, se calhar até é mais isso. Porque muita gente acha que é tudo igual. E podem continuar a achar. Cada um com a sua vida! Para mim não é. Reparem no meu ponto de vista: Quando poupo dinheiro não o gasto. Isso para mim é evitar comprar alguma coisa, para poupar dinheiro, por exemplo. Penso naquilo como dinheiro que não foi gasto. Quando junto dinheiro acumulo em sitio próprio. Mesmo que tenha que tirar da minha conta para por noutro sitio. Juntar dinheiro para mim implica sempre ter um objectivo para o ir gastar futuramente. Tipo numas férias. Num computador. Por ai.

Portanto, poupar implica não gastar de todo. E juntar significa acumular com o objectivo de gastar, em algo especifico, mais tarde.

Truques para poupar dinheiro

  1. Fazer uma lista de compras / planear as refeições;
  2. Fazer marmitas / levar almoço para o trabalho ( e lanche);
  3. Fazer programas em casa (vejam aqui algumas ideias de como passar um fim-de-semana sem gastar dinheiro)

Truques para juntar dinheiro

  1. Fazer a poupança das 52 semanas;
  2. Meter de lado os trocos dos cafés, jantares, compras etc.
  3. Ter potes com objectivos específicos (Ex.viagem, casa nova, casamento)

Qual é a vossa percepção do dinheiro? São mais do género gastadores ou poupados? Concordam com a minha dicotomia? E relativamente à questão da poupança vs juntar dinheiro, qual é a vossa opinião?